rina pri

Por uma vida sem pentelhos

::: Crônica minha, feita hoje 🙂

pegou a pinça e foi sentar na cama, onde a luz da tarde garantia uma boa iluminação. ia depilar a virilha. é, com pinça. poucos pelos, sacomé. e, enquanto tirava os pentelhos-pelos que não deveriam nunca mais crescer, começou a pensar nos pentelhos-gente que também precisariam sumir. da sua vida, não da virilha, obviamente.

e ficou ali, arrancando os pelos e dando nomes a eles. nomes daqueles seres enjoados que insistem em permanecer, mesmo já tendo sido removidos antes. ex-namorados. ex-amigos. ex-chefes. ex-qualquer coisa.

e por que será, afinal, que ficamos com esses pelos encravados? gente que não merece a menor preocupação, mas fica ali, aporrinhando, enchendo o saco (ou a virilha, com o perdão do trocadalho).

fico pensando o que nos faz querer permanecer com essas coisas inúteis. veja bem: pelos a mais, roupas e sapatos velhos ou que não cabem, papéis, gordurinhas, manias… gente.

sim! gente enche espaço! gente enche O SACO! tem gente que não merecia nem ter entrado na nossa vida mas, já que entrou, precisa sair… precisa ser jogada fora, já que por livre e espontânea vontade não hão de ir embora.

então, sabe aquela amiga chata? pára de atender os telefonemas só pra ser educadinha. o ex-chefe que vive pedindo um favorzinho? põe preço – duvido que ele vá pagar! o ex-namorado que ainda não se tocou que o relacionamento acabou (às vezes há ANOS): larga mão de ser simpática e manda à merda – porque catar coquinho pode soar algo amigável, dependendo da loucura da pessoa!

o século 21 vem cheio dessa coisa de reciclagem, de consciência ecológica e tals. bora reciclar o que presta na nossa vida e deixar esse lixo todo virar adubo – porque há, sempre, de se aprender com o passado.

levantou da cama de virilha limpa e alma lavada. decidida do que faria. biquíni, praia. porque aprendera que não é apenas uma superstição essa
história que a água do mar lava a alma. é uma grande verdade. e foi. de biquíni, pensando não mais nos pentelhos que tanto incomodavam, mas na estratégia de vida para mantê-los sempre longe de onde não devem estar.

na minha pele quero apenas o toque, a sensação leve e gostosa, o calor do amor, do beijo e do abraço apertado que uma vida mais leve tem.

[por uma vida sem pentelhos, por Rina Noronha, 07/01/2010]

(Se quiser copiar, por favor, cite a fonte ;))
Anúncios

7 thoughts on “Por uma vida sem pentelhos”

  1. Não tenho este problema de ter que depilar a virilha,,,,rsrrs, mas tenho um montão de pentelhos assim, Ótima crônica

    abraços

  2. Barba encravada conta como pentelho? É um saco também. Queria poder joga-los fora simplesmente, mas enquanto a depilação a laser não vem, me desfaço dos que eu posso. Amém.

  3. hahaha..ótima!!!

    To fazendo a lista dos que serão jogados fora em 2010!!

    além de que depilar virilha é uma tortura terrível, tanto qto ter que aturar esses pentelhos pé no saco que não se tocam!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s